MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

A BH Airport acredita no papel fundamental do Aeroporto Internacional de Belo Horizonte para fomentar o desenvolvimento econômico de Minas Gerais e da  região onde está inserido. Consciente de sua responsabilidade, a concessionária busca disseminar valores, estabelecer parcerias e promover a integração com a comunidade para que este desenvolvimento seja ambientalmente sustentável.

Uma característica importante da localização do Aeroporto é a proximidade à área que possui um dos sítios arqueológicos mais importantes do País e reconhecidos internacionalmente desde que, no século XIX, o naturalista dinamarquês Peter Lund descobriu fósseis de animais extintos e ossos dos primeiros habitantes da região de Lagoa Santa.

Ao valorizar iniciativas de caráter amplo, a BH Airport espera estimular a consciência ambiental, a preservação da biodiversidade e também do Patrimônio Cultural e Ambiental da região do entorno do Aeroporto.

A BH Airport é uma empresa comprometida com a vida das pessoas e com o desenvolvimento regional sustentável.
Essa é uma de nossas crenças.

Conheça algumas destas iniciativas

Programa de Coleta Seletiva Solidária

Gerenciado pela área de Qualidade, Segurança e Meio Ambiente da BH Airport, o programa de Coleta Seletiva solidária faz parte de um amplo plano de gerenciamento de resíduos sólidos desenvolvido para assegurar a operação ambientalmente sustentável do Aeroporto Internacional de BH.

Com o propósito de contribuir com a inclusão social e geração de renda para os catadores de materiais recicláveis, a BH Airport doa todos os resíduos recicláveis gerados no Aeroporto à Associação dos Catadores de Materiais Recicláveis de Lagoa Santa (Ascamare). Atualmente, a Associação gera renda para 28 associados e a BH Airport tem orgulho de participar desta história.

Entre 2014, quando assumiu as operações do Aeroporto e abril de 2018, a concessionária já doou 860 toneladas de resíduos coletados e doados à Ascamare como papel, plástico, vidro, pallets de madeira e metal.

O programa de Coleta Seletiva Solidária conta com uma importante parceria com a Azul Linhas Aéreas, no projeto ReciclaAzul, por meio do qual as latas de alumínio de refrigerantes consumidos no interior das aeronaves da companhia aérea são segregadas pelo pessoal de bordo e coletadas pela Ascamare para reciclagem.

 

 

Projeto Rede Asas do Carste

A BH Airport apoia o projeto Rede Asas do Carste, coordenado pelo biólogo Eugênio Cortez Figueira, pesquisador da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), desenvolve ações de monitoramento e registro das aves aquáticas na região das lagoas cársticas. O principal objetivo do projeto é a discussão da qualidade ambiental nos pontos de observação e de seu entorno. Com o objetivo de contribuir com este projeto, a BH Airport, em parceria com a Associação de Desenvolvimento Artes e Ofícios (ADAO) de Matozinhos, promoveu a doação de 10 câmeras fotográficas, para que os professores e alunos das escolas da região promovam o registro destes momentos.

 
Ações de Educação sobre o Patrimônio Cultural

A BH Airport também contribui para o desenvolvimento de ações relacionadas com a divulgação sobre o Patrimônio Cultural existente na Região do Aeroporto, por meio de iniciativas que envolvem a comunidade aeroportuária, representantes dos municípios localizados no entorno do Aeroporto. 

 

CONHEÇA O PATRIMÔNIO CULTURAL DA REGIÃO DO AEROPORTO

A região de Lagoa Santa está inserida na Área de Proteção Ambiental (APA) Carste, que concentra um dos maiores números de cavernas por área no Brasil. Esta riqueza atraiu a atenção do naturalista dinamarquês Peter Lund (1801-1880) que, no século XIX, após conhecer o conterrâneo Peter Claussen, iniciou pesquisas que o levaram a descobertas de diversos fósseis humanos e de mamíferos extintos que viviam na região e que incluíram o tigre dente-de-sabre e a preguiça gigante.

O naturalista explorou mais de 200 cavernas, como as de Maquiné, Lapinha, Lapa Vermelha  e Cerca Grande. Ele encontrou aproximadamente 50 volumes repletos de ossadas. Em 1843, Peter Lund encontrou na região vestígios de homens pré-históricos cujos estudos definiram as características do que seria conhecido posteriormente como "o Homem de Lagoa Santa".  Mais tarde, outras investigações destacaram a região que também ficou conhecida por abrigar o fóssil mais antigo na América: o crânio de Luzia.

Peter Lund morou por muitos anos em Lagoa Santa, onde morreu e foi sepultado. Suas descobertas foram citadas no livro "A Origem das Espécies" (1859), de Charles Darwin.
O patrimônio arqueológico e a natureza da região atraem turistas de todo o País em diversos roteiros que incluem o ecoturismo, turismo de aventura e espeleoturismo.
Não deixe de conhecer.

 

Lapa Vermelha

A gruta, situada município de Pedro Leopoldo, se tornou conhecida mundialmente quando, no início dos anos 1970, a missão arqueológica franco-brasileira, chefiada pela arqueóloga francesa Annette Laming-Emperaire, encontrou o crânio de uma mulher com cerca de 20 anos. Luzia é o nome do fóssil humano (Homo sapiens) mais antigo encontrado na América, com cerca de 12.500 a 13.000 anos e que reacendeu questionamentos acerca das teorias da origem do homem americano. O nome foi dado pelo biólogo brasileiro Walter Alves Neves.  A gruta Lapa Vermelha,  era famosa pelos trabalhos do cientista Peter Lund, que lá descobrira, entre 1835 e 1845, milhares de fósseis de animais extintos da época Pleistoceno - além de 31 crânios humanos em estado fóssil, que passou a ser conhecido como o Homem de Lagoa Santa.

Crédito: Parque Estadual do Sumidouro/Cíntia Palhares

 

Parque Estadual do Sumidouro

Criado em 1980 e implantado em 2007, o Parque Estadual do Sumidouro possui uma área de 2 mil hectares e tem como principais objetivos a preservação do patrimônio cultural e natural existente na região, como as grutas, pinturas rupestres, a fauna e a vegetação do cerrado.  O parque está situado nos municípios de Lagoa Santa e Pedro Leopoldo.

O Sumidouro recebeu este nome por causa de sua principal lagoa. Um sumidouro é o ponto de drenagem das águas dos terrenos calcários. Representa a abertura natural para uma rede de galerias, por meio da qual o curso d´água penetra no subsolo.

Foi na região do Sumidouro que Peter Lund encontrou fósseis do conhecido "Homem de Lagoa Santa". O parque possui em seu entorno monumentos arquitetônicos tomados pelo Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (IEPHA/MG), como a Capela de Nossa Senhora do Rosário e a Casa Fernão Dias.

Crédito: Parque Estadual do Sumidouro/Cíntia Palhares

 
Museu Peter Lund

Criado em 2012 para promover e divulgar a importância histórica e cultural da região cárstica de Lagoa Santa, reconhecida mundialmente por reunir um dos sítios arqueológicos mais importantes do País, o Museu Peter Lund está localizado ao lado da gruta da Lapinha, dentro do Parque Estadual do Sumidouro (PESU). Além do acervo encontrado na região o museu abriga uma exposição de 80 fósseis cedidos pelo Museu de História Natural da Dinamarca, país de origem de Peter Lund, considerado o "pai da paleontologia brasileira.

Em junho de 2018, a BH Airport inaugurou a nova sala multiuso destinada à realização de encontros, palestras e seminários e a reforma da área da reserva técnica com novo mobiliário para acondicionar o acervo do Museu Arqueológico da Lapinha.

 

Gruta da Lapinha

Localizada dentro do Parque Estadual do Sumidouro, em Lagoa Santa, a Gruta da Lapinha tem 40 metros de profundidade e 511 metros de extensão. Sua formação data de 600 milhões de anos. O interior da caverna é formado por ornamentações em formas variadas esculpidas pelo tempo, abrigando o Salão de Entrada, a Sala da Catarata, a Sala da Couve-Flor, o Salão da Catedral, a Sala das Pirâmides, o Canto do Abajur, a Sala dos Carneiros e a Galeria do Presépio. A maioria dos salões possui iluminação em LED, que valoriza as formações minerais predominantes: estalagmites (formadas no solo) e estalactites (formadas no teto).

Crédito: Parque Estadual do Sumidouro/Cíntia Palhares)

 

Gruta de Maquiné

Localizada em Cordisburgo, terra do escritor Guimarães Rosa (1908-1967), a caverna de 650 metros de extensão é composta por sete salões: Vestíbulo, Colunas, Altar ou Trono, Carneiro ou Elefante, Piscinas e Fadas. A sétima câmara é dividida em duas partes, Dr. Lund e Cemitério, esta última fechada à visitação.

No local onde funcionava o receptivo e o restaurante da gruta está instalado o Museu de Maquiné. Um túnel eletrônico leva o visitante a modernos painéis, vídeos e instalações interativas com curiosidades sobre o local. Réplicas de fósseis e de ossadas de animais podem ser encontradas no museu.

Monumento Natural Estadual Peter Lund - IEF/Gruta do Maquiné

 

Gruta Rei do Mato

Localizada no município de Sete Lagoas, a gruta tem 998 metros de extensão, dos quais 220 metros estão abertos à visitação pública. Possui quatro salões com pinturas rupestres de aproximadamente 6.000 anos.

As formações calcárias da caverna são raras no mundo. Lá, além das pinturas, foram encontradas ferramentas indígenas petrificadas.

Acervo do Monumento Natural Estadual Gruta Rei do Mato